sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Um gostinho de nossa Frida Kahlo em Santa Rosa...

MANIFESTO CULTURAL RESISTÊNCIA


Para Fazer a Diferença



Num mundo dominado por uma cultura de massa cuja qualidade varia, do péssimo ao inaceitável, a informação é regra e a cultura é exceção. Informação passa, cultura fica. Os grandes centros culturais do país condenaram os núcleos periféricos à inação, porque acreditam que estes núcleos não tem identidade e aceitam, submissos, esta condição. Há quatro anos o GRUPO RESISTÊNCIA colocou-se na contramão deste processo, buscando gerar um embrião identitário para a cultura de Santa Rosa, estruturado em 3 princípios:

1) A cultura de Santa Rosa tem uma identidade própria;

2) Esta cultura precisa ser, sistematicamente, organizada e agregada;

3) Sistematizada e organizada esta cultura deve, necessariamente, ver-se e ser vista, para poder reconhecer-se e ser reconhecida e assim, evoluir livremente.

Estes quatro anos de batalha em defesa de nossa identidade cultural, nos levou a realizar além de Santa Rosa, ações culturais em Ijuí, Bento Gonçalves, São Leopoldo e Porto Alegre. Em todos estes lugares a validade do projeto foi reconhecida e aprovada.

Nessas andanças e ficanças estruturou-se o PROJETO RESISTÊNCIA: MARGENS DA UTOPIA. Somos utópicos por natureza, acreditamos em coisas e lugares que (ainda) não existem. E, sim, temos consciência de que estamos geograficamente à margem, mas rejeitamos a marginalização. Assim, nos dias 05 e 06/11/2010, entre um FINADOS e uma PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA, vamos desfraldar mais uma vez a bandeira da IDENTIDADE CULTURAL DE SANTA ROSA, instituindo uma virada cultural e uma muvuca de diversidade, pluralidade e responsabilidade. O centro geográfico de tudo será o SESC Santa Rosa e a programação TOTALMENTE GRATUÍTA e aberta a população ocupará o palco e o hall deste centro cultural da tarde do dia 05 até a noite do dia 06. Entre as atrações estão:


LARRY WIZNIEVSKY - JORNALISTA E PROFESSOR, GUSTAVO CAFÉ AZAR - ANTROPÓLOGO (ARG), LUIS EDUARDO RUBIRA - DOUTOR EM FILOSOFIA - USP E PARIS -UFPELl, GASTÓN NAKAZATO – MÚSICO/COMPOSITOR (ARG), JUÇARA GASPAR - ATRIZ (POA), LUCIANO ALVES - MÚSICO/COMPOSITOR (POA), CLÁUDIO JONER - MÚSICO E COMPOSITOR, SCHIMO - DJ CULTURAL, MÓ - ARTISTA PLÁSTICO E CARTUNISTA, AMPLIFIELD, ANDERSON FARIAS – CINEASTA, ANTÔNIO CARLOS CARECA E DARLAN ORTAÇA, APLAS, ASES, CIA DE DANÇA MOVIMENTOS, CIA. SANTA ROSA EM DANÇA, CORAL DA ORQUESTRA SANTA ROSA, CORNELIA KUDIESS - ARTISTA PLÁSTICA, CRISTIANO MELCHIOR – MÚSICO, DOM BOSCO EM DANÇA, HAMILTON MUNHOZ – ARTISTA PLÁSTICO, GRUPO ATIVAR – TEATRO, GRUPO CATAVENTO - TEATRO (GEGA), LUCIANE MIRANDA - ARTISTA PLÁSTICA, MARIA LUISA LEHR – ARTISTA PLÁSTICA, NARDA LUNARDI - BAILARINA/FLAMENCO, OFICINA MUNICIPAL DE CINEMA, ON TRUPE - SOM E CENA, PATRICIA PRESTES - CANTORA, PRIMEIRA CLASSE – INSTRUMENTAL, RECITAL - ESCOLA DE MÚSICA



A experiência desses quatro anos resistentes gerou em nós uma certeza. As culturas morrem pela omissão. A função principal de quem acredita em uma IDENTIDADE CULTURAL DE SANTA ROSA É INSTITUIR CONDIÇÕES PARA QUE ELA FAÇA A DIFERENÇA. O PRIMEIRO RESISTÊNCIA: MARGENS DA UTOPIA É UMA PROFISSÃO DE FÉ EM UMA IDENTIDADE CULTURAL AMPLA, PLURAL E IRRESTRITA DE SANTA ROSA. CONTRA A OMISSÃO E PELO COMPARTILHAMENTO DE UMA UTOPIA COMUM, UM SISTEMA DE PRODUÇÃO E CIRCULAÇÃO DE CULTURA PRODUZIDO EM SANTA ROSA, POR SANTA ROSA, PARA O BRASIL E PARA O MUNDO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário